sexta-feira, 21 de março de 2014

Que tipo de gráfico usar?

Uma pergunta difícil, que às vezes incomoda até quem trabalha o dia inteiro fazendo gráficos, infográficos e visualização de dados. Como muita coisa, a resposta é sempre: depende. (¬¬)
Basicamente, depende de duas coisas:

Que tipo de informação você tem?

  • temporal (dia, mês, ano)
  • espacial/geográfica (rua, cidade, país, coordenada)
  • categorias (idade de diferentes pessoas, gastos de diferentes setores, índices de diferentes países, quantidade de frutas por tipo)

O que você deseja mostrar?

  • comparar uma categoria com outra (tempo de 0-100km/h em diferentes carros)
  • mostrar em relação ao todo (um partido gasta um terço da verba da cidade)
  • rankear (quem mais come chocolate)
  • comparar com a média (desempenho de um time está abaixo da média)
  • mostrar escala (o quão grande/pequeno, muito/pouco, longe/perto é alguma coisa)
  • mostrar evolução ao longo do tempo (violência aumentou nos últimos anos)
É claro que na maioria das situações você vai ter pelo menos dois tipos de informação (ex.: gastos de diferentes setores por ano) e às vezes vai querer mostrar mais de uma coisa (um índice de cada país e a relação geográfica entre eles). Aí entram outras variáveis das quais a sua resposta vai depender:
  • nível do público, audiência, leitor
  • complexidade: quantidade de relações, interpretações, conclusões que você quer que o seu leitor seja capaz de fazer com os dados que você vai apresentar
Isso vai delimitar bastante suas escolhas para o tipo de gráfico a escolher, principalmente se você quer mostrar muitas coisas. Se o seu leitor não está acostumado com gráficos, provavelmente vai ser difícil que ele compreenda corretamente o seu gráfico que mostra ao mesmo tempo: o gasto somado de todos os partidos + gasto individual de cada um + evolução ao longo do tempo + valor da variação + médias + ...

É possível que dê pra construir um gráfico assim. Mas ele vai precisar ser tão bem feito que vai levar muitas horas para montar e vai levar tanto tempo para ser interpretado pelo leitor que não vai valer a pena. Melhor seria mostrar em duas ou três partes, ou diminuir o número de informações pra mostrar. Afinal, só porque os dados existem não quer dizer que é interessante você querer mostrar todos. Por isso uma parte muito importante do processo de fazer infográficos é editar e filtrar as informações antes de pensar na forma que elas vão tomar.

Guias RÁPIDOS para escolher o tipo de gráfico

Enquanto não coloco exemplos visuais pra ilustrar o que falei acima, aqui vão bons guias para ajudar na escolha do gráfico:

Se você já sabe bem o que quer:


Se você não sabe nada:


Se você lê inglês na boa e quer uma explicação mais detalhada:




Guias COMPLETOS para escolher o tipo de gráfico

Agora é pra não ter mais desculpa. Ann K. EmerySeverino Ribecca se saíram muito bem em criar uma biblioteca completa de tipos de gráfico e visualização para todas as situações. Ambos os catálogos tem pra cada tipo:

  • definição e descrição
  • explicação de quando usar (é bom pra...)
  • exemplos ilustrados
  • softwares que podem ser usados pra criar o gráfico
  • tutoriais de como fazer

EMERY’S ESSENTIALS Chart Choosing Tool

annkemery.com/essentials

annkemery.com/essentials

The data visualization catalogue

datavizcatalogue.com

datavizcatalogue.com